+55 31 2522-7160 | +55 31 99760.9866 IDIOMAS:
DowbisMarketing Político Entenda a influência do marketing digital nos resultados das eleições atualmente

Entenda a influência do marketing digital nos resultados das eleições atualmente

Os resultados das eleições de 2018 mostraram o peso das estratégias digitais nas campanhas eleitorais da atualidade. Criou-se uma nova perspectiva, onde pequenos partidos e pequenos orçamentos podem se destacar e alcançar a vitória. O monopólio dos grandes partidos já não é suficiente para se ganhar uma eleição.

Em 2018 candidatos considerados inexpressivos e desacreditados por especialistas assumiram uma posição gloriosa através de estratégias de marketing digital em que candidato e eleitorado puderam estreitar o relacionamento e a interatividade. Entenda um pouco mais esse processo e saiba como o marketing digital influencia diretamente os resultados das eleições.

Marketing político tradicional

Antes de entender a influência do universo digital nos resultados eleitorais, você precisa entender como eram realizadas as campanhas de marketing eleitoral nas últimas décadas. Grande parte do orçamento eleitoral dos candidatos era destinado às mídias de massa como TVs e rádios. 

Ainda hoje, a distribuição de tempo do horário eleitoral gratuito no rádio e na TV é realizada de acordo com as coligações dos partidos políticos. Essa regra beneficia os grandes partidos e as grandes alianças. Historicamente quem possuía mais tempos na TV e no rádio tinha os melhores resultados nas campanhas. Com a chegada da internet essa história mudou. Houve uma incrível democratização, onde as campanhas dos pequenos partidos tiveram um resultado incrível, com vitórias consideradas impossíveis pelos críticos.

Influência do marketing digital

As eleições de 2018 mostraram um resultado oposto à lógica das campanhas tradicionais, pois, os candidatos que lideravam as pesquisas eram inexpressivos no que diz respeito ao tempo de televisão, quanto aos que possuíam menos de 10% nas intenções de voto tiveram mais tempo. Além disso, podemos observar que nos últimos anos houve uma mudança no perfil do eleitorado. Trata-se de um eleitor ativo que busca na internet as informações sobre os seus candidatos.

Antecedentes criminais, vida familiar, processos em andamento, escândalos, sucessos e fracassos. Tudo fica registrado na internet como um rastro a ser avaliado pelo eleitor. Uma simples pesquisa e o eleitor já forma a sua opinião sobre o seu candidato. Neste contexto, o marketing digital se tornou uma arma poderosa.

 

Leia o artigo “ 4 campanhas eleitorais de sucesso que mudaram os resultados das eleições

e descubra como esses candidatos se tornaram vitoriosos utilizando marketing digital.

 

Mudanças nas leis de financiamento

Com as mudanças na lei de financiamento eleitoral, o marketing digital caiu como uma luva para candidatos que possuem um baixo orçamento e que desejam interagir diretamente com o seu eleitorado. As mudanças foram realizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou as doações realizadas por empresas a partidos a candidatos, inconstitucional. Na ação de Inconstitucionalidade ADI 4.650 de 2015, podemos destacar as seguintes alterações:

  • Proibição de doações de empresas para partidos ou para candidatos.
  • Criação de um Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC), pela Lei 13.487 de 2017, somando 1,7 bilhão de reais. O candidato também pode utilizar recursos do Fundo Partidário, constituído por mais de 800 milhões de reais.

Leis e regras para marketing digital

Em 2018 o congresso aprovou a proposta de reforma política que afetou diretamente algumas ações digitais, dentre elas podemos destacar a propagação de discursos de ódio e fake news. Segundo a nova regra os aplicativos e redes sociais devem  suspender as publicações denunciadas que promovem discursos de ódio ou divulgam informações falsas.

O objetivo é evitar que perfis falsos sejam usados para difamar candidatos. A lei 57-C da lei nº 93504/1997 proibia qualquer forma de propaganda na internet no período eleitoral. Com a nova redação, os partidos podem realizar propaganda desde de que tenha como objetivo  impulsionar o alcance de publicações.

Se você gostou do artigo sobre a influência do marketing digital nos resultados das eleições, compartilhe em suas redes sociais ou deixe um comentário.